Os substitutos

May 9, 2017

 

“Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR. Amarás, pois, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força. Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no teu coração; tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te.” (Dt.6.4-7)

 

Dificilmente alguém entregaria a administração financeira de sua empresa, ou mesmo de sua casa, para qualquer pessoa, afinal “o gado só engorda debaixo dos olhos do dono”. Contudo, os pais têm entregado a educação de seus filhos para babás, secretárias domésticas, creches e colégios. Aos dois anos de idade, no mais tardar, a criança é posta em alguma instituição, com ou sem a necessidade relacionada ao trabalho dos pais. Ao retornar da instituição, creche ou colégio, a criança é entregue para uma babá ou secretária doméstica, com quem passará o restante do dia. Em muitos casos, os pais saem para trabalhar antes de o filho acordar e voltam a tempo de dizer aos filhos apenas: “Boa Noite!”. Em outros casos, mesmo estando presentes, os pais não gastam tempo com as crianças, pois querem “liberdade”, ou afirmam não ter “paciência” para cuidar de seus filhos.

 

O mundo tem criado pais que não passam de meros progenitores e sustentadores da prole. A criança recebe comida, roupa, moradia e é conduzida para uma instituição acadêmica qualquer que jamais deveria ser chamada de educacional ou pedagógica. Não há amor, nem exemplo pessoal, nem educação moral e ética dentro de casa. Não é construído um vínculo de confiança entre pais e filhos, pois dificilmente estes se relacionam. Quando chega à puberdade, o adolescente está confuso, sem parâmetro nenhum, com um único vínculo com os pais: a ração diária. E, para aumentar o problema, esse filho gerará outros com os mesmos vícios. Gerações confusas gerando genealogias perdidas que sucumbem nos próprios erros.

 

Disse Jesus: “vós sois o sal da terra... vós sois a luz do mundo” (Mt.5.13,14). Aqueles que se achegam a Cristo são considerados a razão pela qual Deus conserva a existência no planeta. Basta comparar as Palavras de Jesus com o diálogo entre Abraão e o SENHOR (Gn.18.20-33). Abraão apela para o SENHOR pela preservação das cidades de Sodoma e Gomorra, em razão da existência de justos nelas. Os retos que vivessem lá seriam o sal que preservaria as cidades com vida. Deus não as destruiria “por amor” aos justos que lá estivessem. Além de “sal da terra” os cristãos são “luz do mundo”, pois apontam a glória de Deus ao homem, refletem a santidade do Senhor para os pecadores, mostram o caminho da salvação que é Cristo e demonstram o poder transformador da Palavra e do Espírito Santo, na própria vida.

 

Portanto, o cristão não deve copiar o mundo e sim o mundo copiar o cristão. Pais, vocês têm educado seus filhos na Palavra de Deus? Não se trata de conduzir a criança para uma comunidade eclesiástica local. Educar é ensinar o conhecimento e demonstrá-lo ao discípulo. Filhos, quem tem ensinado a Palavra de Deus para vocês? Quem são seus modelos de vida? Provavelmente, os filhos (crianças, adolescentes e jovens) dirão: “é o pastor”, ou ainda: “é o professor da escola dominical”. Contudo, os pais deveriam ser modelos para os filhos. Eles deveriam ser os professores e pregadores da Palavra de Deus dentro do lar.

 

Uma comunidade que resume seus exemplos à vida da liderança, não está compreendendo a Palavra de Deus nem a obedecendo. Mas, é o que tem acontecido com muitas famílias evangélicas: os pais passam o papel de educação ética, moral e espiritual para a igreja local, tantas vezes, incentivados pela própria liderança que realiza “programações” quase que diárias. Eles Levam os filhos para participarem dos “eventos” de sua denominação, onde ouvirão a Palavra de Deus após uma semana sem nenhuma instrução Bíblica dentro de casa, e voltam como se tivessem cumprido a missão paterna. Substituíram a educação familiar, ensinada e ordenada por Deus, pela educação institucional eclesiástica. Os professores da escola dominical e o conselho da igreja local viravam substitutos dos pais que receberam a missão de educar os filhos nos caminhos de Deus. O que houve com a família cristã?

 

Uma das razões é a “falta de tempo dos pais”. Os pais reclamam não ter mais tempo para nada. Não há mais tempo para os filhos, não há mais tempo para ler a Bíblia, nem para orar, nem para se reunir com os demais irmãos na fé. Só há tempo para trabalhar, pagar as contas, gastar dinheiro no shopping, fazer as compras de alimentação e voltar para o trabalho. Mas, esse ciclo vicioso terá um fim: a morte. E, com a morte, virá o inferno para “os sem tempo” com Deus. E, no inferno, “onde não lhes morre o verme, nem o fogo se apaga” (Mc.9.48), não haverá shopping, nem supermercados, nem vida. Lá, os pais e os filhos lembrarão as Palavras de Jesus: “que aproveitará o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou que dará o homem em troca da sua alma?” (Mt.16.26). Contudo, será tarde demais.

 

A melhor forma de gastar o tempo que recebemos de Deus é dedicando a vida a Deus. Seja no trabalho ou no colégio, e principalmente na família, o tempo deve servir o Senhor, sendo utilizado para a Sua glória. O tempo foi feito para o homem e não o homem para o tempo. Se vocês não têm tempo para o serviço de Deus também não haverá razão para que o Senhor dê mais tempo de vida para vocês, e, então se dirá: “Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?” (Lc.12.20).

 

Outra razão do problema é a “falta de conhecimento de Deus”, ou seja, “falta de verdadeira conversão dos pais”. Pais que não tiveram a experiência da regeneração “são cegos, guias de cegos. Ora, se um cego guiar outro cego, cairão ambos no barranco” (Mt.15.14). Para que os pais possam educar seus filhos na Palavra de Deus será necessário que primeiro amem “o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua força” (Dt.6.5). Como alguém que nunca amou poderá ensinar a amar? Como alguém que nunca teve verdadeira fé na Palavra de Deus e em suas promessas poderá ensinar os filhos a crer em Jesus Cristo? Como pais que vivem somente para o dinheiro e bens poderão ensinar a esperança na vida eterna? É preciso que a Palavra de Deus esteja primeiramente no coração dos pais, a fim de serem transmitidas com conhecimento e experiência para seus filhos.

 

Pais, vocês dedicam muito tempo ao carro, ao shopping, ao trabalho, aos amigos, entre outros. Mas quanto tempo vocês têm desfrutado com os filhos? Vocês têm dado tanto tempo e atenção aos seus filhos, quanto têm dedicado tempo e esforço no cuidado e aquisição de bens? E, qual deles deveria ser considerado mais importante? Seus filhos precisam de exemplos acerca da vida cristã, e esses exemplos devem vir de vocês. Não esqueçam que os bens se dissiparão com o tempo e perderão o valor com a morte, mas só a Palavra de Deus gera vida que perdurará através da eternidade no coração dos que amam o Senhor.

Compartilhe no Facebook
Gostei
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Pastor Alexandre A. Costa

Ligue:

54 984 136 915

Igreja Matriz: 

Rua Ernesto Zanrosso, 2669

Caxias do Sul-RS

  • White Facebook Icon
  • White YouTube Icon
  • Branco Ícone Google+
  • SARCAICO

Envie seu Pedido de Oração

*Campos Obrigatórios

Congregação em Vacaria: 

Rua Teodoro Borges dos Santos, 520, Vacaria-RS

Versão 4.4.3 © 2017 Igreja Presbiteriana de Caxias do Sul. Todos os Direitos Reservados.