Não separe a ortodoxia da ortopraxia

April 24, 2018

 

“Guardo no coração as tuas Palavras, para não pecar contra ti” (Sl.119.11)

 

Ser cristão é confessar convicção plena em todo ensino da Escritura Sagrada (Ef.4.4-6), procurando, a partir de então, viver uma vida segundo “a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Rm.12.2) revelada por sua Santa Palavra, conforme disse o apóstolo Paulo: “logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim” (Gl.2.20).

 

O legítimo cristianismo consiste do casamento entre a ortodoxia (pureza na doutrina) e a ortopraxia (pureza no viver). E como um casamento, a ortodoxia e a ortopraxia precisam dialogar, viver concordemente e andar juntas o tempo todo, pois o divórcio entre os termos, também consiste em transgressão da Palavra de Deus. E como todo bom marido, a ortodoxia deve nortear sua esposa, ortopraxia, a fim de que o viver cristão esteja sempre em pleno acordo com todo ensino da Escritura Sagrada.

 

Portanto, quanto mais fiel à Escritura for o conhecimento doutrinário do cristão mais puro deverá ser seu viver; quanto mais profundo o entendimento cristão sobre os ensinamentos bíblicos mais amadurecido deverá ser o agir desse cristão, em seu dia a dia; quanto mais ampla for a compreensão do cristão sobre a história da redenção mais desfrutará dos benefícios dela, pois sua mente e seu coração estarão bem focados na graça proveniente do Senhor que em Cristo Jesus nos concedeu o dom do Espírito Santo para uma vida abundante, agora e eternamente.

 

De modo semelhante, o oposto também é verdade. Ou seja, quanto menos conhecimento, entendimento e compreensão os cristãos tiverem das doutrinas bíblicas menos desfrutarão dos benefícios divinos; e, ainda, inferior será o modo de viver, pois assim como “a boca fala do que está cheio o coração” (Mt.12.34) a vida reflete nossas mais íntimas convicções doutrinárias, aquelas que realmente estão arraigadas no coração. Essa é uma das razões porque há tantos “cristãos” que causam mais problemas dentro das igrejas do que servem de alguma forma ao Reino de Deus.

 

O divórcio entre ortodoxia e ortopraxia gera muitas incoerências dentro das igrejas. As implicações podem ser vistas tanto na dimensão individual quanto na esfera coletiva, as comunidades eclesiásticas. Já que Deus é soberano, por que o cristão fica preocupado e ansioso? A doutrina da soberania divina não deveria conduzir o cristão à plena confiança em Deus e consequente paz na mente e no coração (Fp.4.6-7)? Esse é o entendimento do apóstolo Paulo que conduz os cristãos de Filipos a descansarem completamente no Senhor, mesmo em dias maus como aqueles vividos por Paulo, por ocasião da escrita da carta (Fp.1.7,13). Todavia, tem sido comum a separação entre o conhecimento e a prática, criando, assim, incoerências que prejudicam tanto a vida do cristão quanto seu testemunho perante a sociedade.

 

Um dos assuntos mais falados em nossos dias, tanto no mundo pagão quanto nas igrejas cristãs evangélicas, é o amor. Mas, por falta de relação com a Verdade, a Palavra de Deus, até os mais absurdos pecados, condenados pela Escritura (Rm.1.18-32; 1Co.6.9-10; Ap.21.8), são adornados e aceitos. Por causa da errada compreensão sobre o amor, os mesmos que professam ter amor no coração estão falando mal um dos outros, denegrindo a imagem de qualquer um que os desagradem, quer ovelhas quer pastores; “cristãos” cantam que amam a Deus, mas o desonram no dia a dia, vivendo como se o Senhor não existisse, fazendo somente aquilo que é bom para si mesmos; “cristãos” juram, na profissão de fé, serem submissos e obedientes à Palavra de Deus e às lideranças (enquanto fiéis à Palavra de Deus), mas se enchem de si mesmos ao primeiro sinal de contrariedade, quebrando, assim, todo o voto feito na presença da igreja e do Senhor, Criador e Senhor de tudo e todos.

 

Assim, podemos dizer que o povo de Deus “está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento” (Os.4.6) e a presença de obras da carne no meio da igreja: “prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas” (Gl.5.19-21) decorre da separação entre a ortodoxia e a ortopraxia, de forma que se repete o que foi dito pelo apóstolo Paulo: “o nome de Deus é blasfemado entre os gentios por vossa causa” (Is.52.5//Rm.2.24).

 

Tudo isso decorre tanto da falta de conhecimento da Palavra de Deus, pois muitos cristãos pós-modernos pensam que o cristianismo é apenas um conjunto de sentimentos externados em rito cúltico dominical, quanto por causa do divórcio entre a ortodoxia e a ortopraxia que já não dialogam, nem vivem concordemente nem andam juntas. Decorrente disso, também, vem os extremos: igrejas apáticas com corretas doutrinas e igrejas ativas na evangelização e oração, mas repletas de problemas doutrinários que levam os membros às práticas mais absurdas, como tomar banho de bermuda ou calça, condenar o uso de barba ou mesmo se jogar ao chão como suposta expressão da presença do Espírito de Deus.

 

Portanto, estudar as doutrinas ensinadas pela Escritura Sagrada não é um exercício apenas teórico nem muito menos infrutífero. O cristão deve se debruçar sobre todo ensino bíblico por meio de muita oração, para que o coração esteja bastante quebrantado pelo Espírito Santo, a fim de que todo conhecimento resulte em sincera confissão de pecados, aumento da alegria da salvação, desejo de viver segundo a vontade do Senhor, interesse em testemunhar as maravilhas de Deus ao mundo e compaixão para com os pecadores perdidos que não conhecem o Evangelho da graça de Deus.

 

Motivamos, assim, todo cristão a se esmerar na leitura e estudo da Escritura Sagrada, com o propósito de conhecer melhor a Deus e seu projeto redentor e, em Cristo, na dependência do Espírito do Senhor, aperfeiçoar a vida para que, nela, Deus seja glorificado tanto na força quanto na fraqueza de uma vida totalmente obediente e dedicada a Cristo, o Senhor de toda a glória.

Compartilhe no Facebook
Gostei
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Pastor Alexandre A. Costa

Ligue:

54 984 136 915

Igreja Matriz: 

Rua Ernesto Zanrosso, 2669

Caxias do Sul-RS

  • White Facebook Icon
  • White YouTube Icon
  • Branco Ícone Google+
  • SARCAICO

Envie seu Pedido de Oração

*Campos Obrigatórios

Congregação em Vacaria: 

Rua Teodoro Borges dos Santos, 520, Vacaria-RS

Versão 4.4.3 © 2017 Igreja Presbiteriana de Caxias do Sul. Todos os Direitos Reservados.