Confiança, gratidão e alegria na tribulação

July 21, 2018

 

 

“Até quando, SENHOR? Esquecer-te-ás de mim para sempre? Até quando ocultarás de mim o rosto?” (Sl.13.1)

 

Dificilmente, conseguiremos comparar o sofrimento dos salmistas com os problemas que passamos em nossos dias, afinal, em diversos dos salmos de clamor, o autor está sendo perseguido por seus inimigos que procuravam matá-lo. Os clamores tinham fundamentos bem sólidos, pois a perseguição dos adversários era real e cair diante do inimigo significava morte, como disse Davi: “ilumina-me os olhos, para que eu não durma o sono da morte” (Sl.13.3).

 

Às vezes, essas situações perduravam por longos tempos sem que Deus lhe apresentasse qualquer resposta. Então, o coração do salmista se angustiava, vendo-se em aperto sem qualquer solução. Todavia, mesmo em aflição, Davi não deixa de buscar auxílio no Senhor nem de esperar de Deus a salvação. Quem poderia socorrê-lo na perseguição? Quem poderia livrá-lo das mãos dos inimigos? Davi bem sabia que o Senhor era seu escudo (Sl.3.3) e que o silêncio não representava ausência divina, por isso disse: “no tocante a mim, confio na tua graça” (Sl.13.5).

 

Por isso, mesmo cercado de tribulações, ameaçado de morte, Davi retira de seu coração palavras de confiança, gratidão e alegria (Sl.13.5-6). A certeza de que Deus estava com ele para o guardar até mesmo no vale mais profundo (Sl.23.4) alegrava seu semblante triste e tranquilizava o coração inquieto. Portanto, mesmo quando parecia que o Senhor havia se esquecido dele, que o Senhor não ouvia suas orações (Sl.13.1-2), Davi não desiste de continuar clamando (Sl.13.3-4) nem murmura contra Deus.

 

A Escritura diz que “muitas são as aflições do justo” (Sl.34.19) e, mesmo que sejam diferentes do que Davi estava passando, várias delas perturbam o coração. Em diversos problemas que enfrentamos na vida, parece que o Senhor não está nos vendo nem ouvindo nem disposto a nos ajudar. O silêncio incomoda a alma que precisa de auxílio. Mas, é exatamente nesses momentos da vida que devemos demonstrar confiança, gratidão e alegria, à semelhança de Davi.

 

No deserto, Israel se deparou com problemas ao longo da caminhada, após terem visto todas as maravilhas que Deus operara no Egito (Ex.3-14). E diante das necessidades, o povo murmurava contra o Senhor (Ex.15.24; 16.2; 17.3; Nm.16.41); tentou a Deus pondo-o à prova (Ex.17.7; Hb.3.9); e, falaram contra o Senhor diversas vezes, resistindo à vontade de Deus (Nm.16.1-35; .Sl.106.16). Por causa da constante agitação maldosa do coração daquele povo, os filhos de Israel não percebiam a grandeza do que Deus havia feito para libertá-los (Ex.15), o que o Senhor estava fazendo no deserto para sustentá-los com tudo o que era necessário (Dt.8.3-4) e o que Deus haveria de fazer dando-lhes a terra prometida (Dt.27.3). E, tamanho foi o pecado do povo que Deus lhes negou entrar na terra do descanso (Nm.14.26-35; Sl.95.11).

 

Não é isso o que Deus espera de seus filhos, por isso o Senhor pôs aquela geração por exemplo, a fim de que a igreja não cometesse os mesmos erros (1Co.10.1-13). Tiago nos diz que “bem-aventurado o homem que suporta, com perseverança, a provação; porque, depois de ter sido aprovado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor prometeu aos que o amam” (Tg.1.12) e Paulo afirma que a “tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança” (Rm.5.3-4). Ou seja, Davi foi aprovado por Deus, porque se manteve firme nas promessas divinas diante das lutas que precisou enfrentar, e solidificou sua esperança na salvação do Senhor ao perseverar nas tribulações, com confiança, gratidão e alegria.

 

Como você tem reagido diante dos problemas da vida? Murmuração? Exigências de Deus? Esfriamento espiritual? Rebeldia contra a igreja, os líderes, o próprio Deus? Como você lida com a aparente inércia do Senhor que se mantem em silêncio mesmo quando você clama por socorro? Você tem perseverado em oração? Você se mantém firme na adoração? Você tem agradecido a Deus por tudo o que Ele já fez em sua vida? Ou você só tem olhado para o problema, como quem está preocupado apenas em sair dele? Ou seja, você tem reagido aos problemas como aquela geração perversa de Israel ou tem glorificado a Deus com confiança, gratidão e alegria, como Davi?

 

Cristo glorificou o Pai mesmo diante da mais difícil angustia que alguém poderia passar: sofrer toda a ira do Deus Todo-Poderoso (Is.53; Mt.26.36-45; Hb.2.18; 5.8; 13.12), a fim de satisfazer a justiça do Senhor (Rm.3.26; 5.1; Gl.3.13; 1Pe.1.18-19). Na oração sacerdotal, Cristo mostrou sua confiança, gratidão e alegria exaltando o Pai por tudo o que havia planejado acerca da redenção e, também, por tudo o que haveria de ser feito para consumá-la: a crucificação e ressurreição (Jo.17). Quando estava no Getsêmani com os discípulos, sabendo o que estava para acontecer, Jesus mostrou sua confiança, gratidão e alegria entregando, prontamente, a vida ao Pai para que a vontade de Deus fosse feita: “Meu Pai, se possível, passe de mim este cálice! Todavia, não seja como eu quero, e sim como tu queres” (Mt.26.39).

 

Mesmo indo para a cruz, Cristo confiou plenamente na vontade do Pai. Não deveriam, aqueles que creem, confiar no Senhor quando cercados por tribulações? A vontade de Deus é sempre “boa, agradável e perfeita” (Rm.12.2) e sua presença na vida daqueles que o amam é real e ativa (Sl.145.18-19). O que se conclui? Se Deus não poupou nem mesmo seu Filho amado (Rm.8.32) para nos livrar do maior problema que tínhamos: a justa condenação, como nos abandonaria diante das lutas enfrentadas nesse mundo que “jaz no maligno” (1Jo.5.19)? Portanto, acalme seu coração aflito lembrando-se da real presença do Senhor; aquiete sua alma angustiada memorando tudo o que Deus fez para nos salvar. Então, persevere em oração, confiando certo de que Deus está ouvindo; agradecendo, porque Ele nunca nos desampara; e alegrando-se, porque há esperança para aqueles que estão em Cristo Jesus.

Compartilhe no Facebook
Gostei
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Pastor Alexandre A. Costa

Ligue:

54 984 136 915

Igreja Matriz: 

Rua Ernesto Zanrosso, 2669

Caxias do Sul-RS

  • White Facebook Icon
  • White YouTube Icon
  • Branco Ícone Google+
  • SARCAICO

Envie seu Pedido de Oração

*Campos Obrigatórios

Congregação em Vacaria: 

Rua Teodoro Borges dos Santos, 520, Vacaria-RS

Versão 4.4.3 © 2017 Igreja Presbiteriana de Caxias do Sul. Todos os Direitos Reservados.