Vitória sobre a ignorância (Sl.14)

July 26, 2018

 

 

“Diz o insensato no seu coração: Não há Deus” (Sl.14.1)

 

Injustiça social, prostituição, corrupção, inimizades entre tantos outros problemas presentes na sociedade são expressões de uma negação prática da existência de Deus. A ausência do temor a Deus, quase sempre, é uma negação prática da existência de Deus. O pecador se entrega ao pecado como se Deus não existisse (Sl.12.4; 64.5; Is.29.15), ignorando que um dia todos os homens haverão de prestar contas a Deus por todas as suas obras (Ec.11.9; Mt.18.23; 25.19; Lc.11.50-51; Rm.14.12; Hb.4.13; 13.17; 1Pe.4.5).

 

Ateísmo é uma prática muito mais comum ao homem do que expressa a reflexão religiosa-acadêmica daqueles que acreditam na não-existência de Deus. Nos dias de Davi, Israel era a única nação que adorava o Verdadeiro Deus, Criador dos céus e da terra. As nações ao redor do povo santo do Senhor desprezavam o Deus de Israel e faziam guerra contra os escolhidos do Senhor (1Sm.17.1; 28.1; 2Sm.5.17; 21.15). Os povos ignoravam que não lutavam apenas contra homens, mas desafiavam Aquele que de Abraão fizera uma grande nação para cumprir em Israel seu projeto redentor (Gn.12.2; 46.3): o Deus de Israel. Assim, a falta de conhecimento de Deus decorria na falta de temor a Deus, expressa numa vida de pecado e luta contra Deus.

 

Todavia, não devemos ignorar ainda que não foram apenas os povos ao redor de Israel que desprezaram a existência de Deus. Durante a história de Davi, muitos se levantaram, levianamente, conduzindo o povo de Deus para o mau caminho: Saul (1Sm.15; ); Is-Bosete (2Sm.4); Absalão (2Sm.14-18); Aitofel (2Sm.17); Seba (2Sm.20). Todos estes homens desprezaram o Deus de Israel, não fazendo caso do fato de que o Senhor havia escolhido Davi para ser rei sobre seu povo (1Sm.16.13). Portanto, ninguém poderia tirar-lhe a coroa a não ser o próprio Deus, como o fez com Saul (1Sm.15.23). Diante de tudo isso, Davi estava perplexo: “Acaso, não entendem todos os obreiros da iniquidade” (Sl.14.4).

 

A negação tanto teórica quanto prática da existência de Deus é uma afronta ao Criador. Então, sem que o pecador ateu se dê conta, estará lutando contra o Criador dos céus e da terra. Poderia, este homem, resistir? Quão devastadora é a ignorância! A falta de conhecimento de Deus conduz o homem a multiplicar seus pecados, indo de encontro à própria destruição que virá do Senhor Deus Todo-poderoso (Sl.14.2-3). Por essa razão, Satanás emprega tanto na falta do saber; o paganismo despreza com tal força o verdadeiro conhecimento; a mídia investe de tal modo na manipulação da informação; os governos pagãos proíbem a todo custo o ensino da Verdade nas escolas; e, os mais diversos líderes políticos e religiosos pervertidos fazem de tudo para manter o povo na ignorância.

 

Qual a solução para esse mundo ignorante, que despreza o conhecimento de Deus, que luta contra o povo do Senhor? Seria a criação de novos cursos para as universidades? Ou um maior número de pessoas cursando filosofia? Não! Pois, não há conhecimento de Deus fora da revelação do próprio Deus. Davi proclama a salvação para um mundo sem o conhecimento de Deus: “Tomara de Sião viesse já a salvação de Israel! Quando o Senhor restaurar a sorte do seu povo, então, exultará Jacó, e Israel se alegrará” (Sl.14.7). O Salmista anuncia o dia de Cristo, no qual os adversários do povo de Deus seriam derrotados (Ap.12) e o Espírito de Deus seria derramado sobre os povos para conversão de pessoas de todas as nações (Dt.32.21//Rm.10.19; Is.42.1,6; 49.6; Ez.36.26-27).

 

Cristo também sofreu uma geração sem conhecimento do Senhor e incrédula: “Vendo ele as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam aflitas e exaustas como ovelhas que não têm pastor” (Mt.9.36). “Ó geração incrédula e perversa! Até quando estarei convosco e vos sofrerei?” (Lc.9.41). Em seu clamor, Jesus mostrou anseio pela consumação da obra redentora, morte e ressurreição, não somente para que pudesse voltar para o seio do Pai, mas, ainda, a fim de que o Espírito de Deus convertesse o coração dos pecadores (Jo.15.26). A solução para todos os problemas da humanidade seria manifesta em Sião, por meio da consumação da obra redentora que Cristo realizaria por intermédio de sua cruz (Mt.21.5; 1Pe.2.6).

 

O pecado tornou o coração do homem tão cego e obstinado que as multidões alimentadas pelo milagre da multiplicação dos pães (Jo.6.1-15) não perceberam que estavam diante do Messias prometido, o Filho de Deus, e, por isso, logo em seguida, lhe pediram um sinal que provasse que Ele fora enviado por Deus: “Então, lhe disseram eles: Que sinal fazes para que o vejamos e creiamos em ti? Quais são os teus feitos?” (Jo.6.30). A razão disso é que o problema daquele que nega Deus não se encontra na falta de provas de sua existência, mas na incapacidade, do coração pecador, de perceber qualquer manifestação da glória do Senhor, apresentada diante de seus olhos. Mesmo que Deus realizasse inúmeros milagres diante de cada geração, os homens o negariam e lhe pediriam mais uma vez: “Que sinal fazes para que o vejamos e creiamos em ti?”

 

Cristo continua sendo a única solução poderosa e eficaz contra toda ignorância e incredulidade do homem pecador. Ele é a única arma contra nossos adversários, pois nEle tanto temos a certeza da salvação (Ef.6.10-18) quanto a vitória sobre os inimigos do Senhor (Cl.2.15). Em Cristo, o mundo está derrotado, Satanás condenado e a igreja redimida para uma viva esperança. No Filho de Deus, temos a completa revelação da glória do Criador, pois “Ele é a imagem do Deus invisível” e “nEle habita, corporalmente, toda a plenitude da Divindade” (Cl.1.15; 2.9). Desse modo, Cristo manifestou ao mundo a existência de Deus de forma pessoal, graciosa e poderosa, testemunhado por multidões de milhares de pessoas tanto amigos quanto inimigos, quer bons quer maus; e, esse testemunho perdurará pelos séculos até a volta de Jesus.

 

Portanto, só Cristo pode livrar o homem da insensatez de negar a existência de Deus (teórica e prática), pois Ele mesmo manifestou a glória do Criador (Jo.17.4). Enquanto o Espírito de Deus não conduzir o homem a Cristo, o pecador negará a existência de Deus por crença e atitudes, e se voltará contra tudo o que se chama pelo nome do Senhor. Agora, tendo em vista que de Sião já veio a salvação do povo de Deus (Jo.19.30), a igreja deve proclamá-la, pois o Evangelho “é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê” (Rm.1.16). E, por meio da conversão dos pecadores, o Senhor, também, estará livrando seu povo dos inimigos, “para que vivamos vida tranquila e mansa, com toda piedade e respeito” (1Tm.2.2).

Compartilhe no Facebook
Gostei
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Pastor Alexandre A. Costa

Ligue:

54 984 136 915

Igreja Matriz: 

Rua Ernesto Zanrosso, 2669

Caxias do Sul-RS

  • White Facebook Icon
  • White YouTube Icon
  • Branco Ícone Google+
  • SARCAICO

Envie seu Pedido de Oração

*Campos Obrigatórios

Congregação em Vacaria: 

Rua Teodoro Borges dos Santos, 520, Vacaria-RS

Versão 4.4.3 © 2017 Igreja Presbiteriana de Caxias do Sul. Todos os Direitos Reservados.