A providência de Deus no censo de Israel

October 27, 2018

 

 

“Porque para Deus não haverá impossíveis em todas as suas promessas.” (Lc.1.37)

 

A vida contém inúmeras experiências completas. O casamento, por exemplo, possui um começo, quer considerando o namoro quer o dia da cerimônia de casamento; possui um longo meio repleto de muitas outras experiências; e, possui um fim posto por Deus por meio da morte. Portanto, é possível analisar o tema casamento na vida de uma pessoa considerando seu começo meio e fim. A partir dessa observação, podemos tirar conclusões e glorificar o Senhor por toda sua providência presente desde o início ao fim, nos altos e baixos, da longa experiência do casamento.

 

O mesmo pode ser dito sobre muitas outras experiências, sejam longas sejam breves. A experiência de um retiro proporcionado por uma igreja possui começo, meio e fim, e, após sua conclusão, é possível avaliar a providência de Deus no decurso de toda a experiência de retiro. Algo semelhante ocorrerá com a experiência universitária que tem início com a preparação para o ingresso (ou com o primeiro dia de aula), passando por todo desenvolvimento acadêmico e relacional que ocorre ao longo de alguns anos, culminando com a formatura que dá fim à experiência universitária. Após sua conclusão, o formando poderá olhar para trás, a fim de avaliar sua experiência universitária, observando a providência do Senhor em todo o processo marcado por alegrias, lutas, dificuldades e expectativas.

 

Poderíamos citar inúmeras experiências completas que uma pessoa desfruta ao longo da vida. A própria vida é uma experiência completa, pois tem começo, meio e fim. Mas, nosso propósito aqui é analisar uma experiência específica de Israel, conforme revelada pela Palavra de Deus, no livro de Números. O livro, que na Bíblia Hebraica chama-se “Deserto” (quinta palavra do texto hebraico de Números 1.1), tem por objetivo revelar a providência de Deus na jornada de Israel, ou seja, o começo, o meio e o fim da caminhada de Israel por quarenta anos no deserto até sua chegada à “campinas de Moabe, junto ao Jordão, na altura de Jericó” (Nm.36.13), em frente à terra de Canaã. O coração do livro revela a caminhada do povo enquanto o começo e o fim tratam algumas leis dadas por Moisés ao povo de Deus (Nm.1-6; 27-36), como providência divina para diversas questões.

 

A experiência de Israel no deserto, conforme o livro de Números, foi emoldurada por dois censos. O primeiro censo ocorre no primeiro capítulo, segundo mandado do Senhor:

 

No segundo ano após a saída dos filhos de Israel do Egito, no primeiro dia do segundo mês, falou o SENHOR a Moisés, no deserto do Sinai, na tenda da congregação, dizendo:  2 Levantai o censo de toda a congregação dos filhos de Israel, segundo as suas famílias, segundo a casa de seus pais, contando todos os homens, nominalmente, cabeça por cabeça.  3 Da idade de vinte anos para cima, todos os capazes de sair à guerra em Israel, a esses contareis segundo os seus exércitos, tu e Arão. (Nm.1.1-3)

 

O segundo censo de Israel ocorre no final da jornada, após o ultimo castigo dado por Deus ao povo por causa da idolatria incitada por Balaão (Nm.25), quando Deus manda uma praga sobre Israel, matando vinte e quatro mil pessoas (Nm.25.9). Após o castigo, Deus ordena a Moisés que levante o segundo censo de Israel:

 

Passada a praga, falou o SENHOR a Moisés e a Eleazar, filho de Arão, o sacerdote, dizendo:  2 Levantai o censo de toda a congregação dos filhos de Israel, da idade de vinte anos para cima, segundo as casas de seus pais, todo que, em Israel, for capaz de sair à guerra.  3 Moisés e Eleazar, o sacerdote, pois, nas campinas de Moabe, ao pé do Jordão, na altura de Jericó, falaram aos cabeças de Israel, dizendo:  4 Contai o povo da idade de vinte anos para cima, como o SENHOR ordenara a Moisés e aos filhos de Israel que saíram do Egito: (Nm.26.1-4)

 

A pergunta principal que desejamos responder nesse artigo é: Qual o propósito dos censos que emolduram a revelação da caminhada de Israel pelo deserto? Ou seja, o que Deus quis nos mostrar por meio da contagem do povo no início e no fim da caminhada, após quarenta anos no deserto onde morreria toda uma geração incrédula? Devemos lembrar que apenas duas famílias foram preservadas: a família de Calebe e a família de Josué (Nm.32.11-12). Todas as demais pessoas do povo de Israel (a partir dos vinte anos de idade) morreram durante os quarenta anos de caminhada no deserto por causa da incredulidade do povo. O que Deus quer nos revelar, então?

 

Toda narrativa bíblica possui propósito tanto em seu conteúdo quanto em sua estrutura. Podemos ver isso na organização dos evangelhos que nem sempre coincidem quanto a ordem dos eventos nem com respeito à seleção desses acontecimentos. A fidelidade dos autores em relação à precisão no registro dos fatos ocorridos não anula a liberdade autoral para organizar as informações conforme o propósito teológico de cada um. Desse modo, tanto no Antigo Testamento quanto no Novo Testamento, encontraremos uma história-teológica, ou seja, a revelação fiel da história redentora contada a partir de propósitos teológicos específicos de cada autor, adornando com singular beleza literária cada evento da grande história da salvação.

 

Emoldurados pelos dois censos de Israel, como já dissemos, ocorrem alguns eventos revelados pelo livro de Números. Interessante observar que os eventos parecem formar um quiasmo, ou seja, uma estrutura da retórica hebraica que tem como propósito apontar para um centro:

 

1) Os príncipes de Israel levam ofertas para a obra do Senhor a ser realizada pelos levitas (Nm.7);

2) A consagração dos levitas para realizarem a obra do Senhor (Nm.8);

3) A celebração da festa da páscoa com a manifestação da presença do Senhor sobre o tabernáculo (Nm.9);

4) A fabricação das trombetas para conduzir o povo (Nm.10.1-10);

5) A direção de Deus para que Israel soubesse caminhar pelo deserto (Nm.10.11-36);

6) A distribuição das responsabilidades de Moisés com setenta anciãos e o sustento dispensado sobre o povo (Nm.11);

7) Deus confirma o chamado e a autoridade de Moisés (Nm.12);

8) O povo duvida da providência de Deus, não acreditando ser possível herdar a terra prometida por causa de aparentes obstáculos (Nm.13-14);

9) Deus dá leis sobre ofertas e sacrifícios para que o povo pudesse ser aceito por Deus (Nm.15);

10) Deus castiga os rebeldes que foram contra Moisés (Nm.16);

11) Deus confirma o sacerdócio de Arão e os direitos e deveres dos sacerdotes e dá um rito de purificação para o povo (Nm.17-19);

12) Deus providencia água da rocha para o povo sedento (Nm.20);

13) Deus providencia cura para as pessoas picadas por serpentes de veneno mortal (Nm.21);

14) Deus providencia a vitória de Israel sobre Seom e Ogue, reis de Hesbom e Basã (Nm.21);

15) Deus livra Israel das maldições de Balaão, abençoando o povo três vezes (Nm.22-24).

 

Os dois censos de Israel emolduram uma série de providências divinas que foram dispensadas a Israel no deserto. O mais interessante é que o centro do quiasmo é a incredulidade do povo, mostrando que nem mesmo a dureza do coração de Israel poderia impedir Deus de cumprir sua vontade revelada: primeiramente, fazer o povo herdar a terra que fora prometida e, como plano maior, trazer o Messias prometido ao mundo (Gn.3.15) por meio do qual seriam “benditas todas as famílias da terra” (Gn.12.3). Mas, como os dois censos nos ajudam a ver essa providência de Deus?

 

Entendemos que o mais importante nos dois censos é seu número final relacionado às providências de Deus, presentes no restante do livro. O número de israelitas do primeiro censo é 603.550 (Nm.1.46), e o número contado no segundo censo é 601.730 (Nm.26.51). Mas, o que isso significa? Para entendermos, devemos lembrar o que Deus disse a respeito da geração incrédula:

 

Porém, tão certo como eu vivo, e como toda a terra se encherá da glória do SENHOR,  22 nenhum dos homens que, tendo visto a minha glória e os prodígios que fiz no Egito e no deserto, todavia, me puseram à prova já dez vezes e não obedeceram à minha voz,  23 nenhum deles verá a terra que, com juramento, prometi a seus pais, sim, nenhum daqueles que me desprezaram a verá. (Nm.14.21-23)

 

Deus havia dito que toda aquela geração que saíra do Egito, de vinte anos para cima, morreria no deserto. Ou seja, o primeiro censo revela a quantidade de homens que morreria no deserto (603.550 – Nm.1.46), além de um número provavelmente semelhante ou superior de mulheres, já que estas não foram contadas. Diante disso, poderíamos pensar: Já que todo esse povo deve morrer no deserto por causa do castigo divino, então quem vai entrar na terra prometida? Lembre-se que o deserto é um lugar hostil, principalmente para dar à luz e criar filhos. Então, as condições para que Israel se multiplicasse não eram boas. Todavia, Deus mostra seu poder para cumprir sua palavra mesmo em meio a todas as adversidades possíveis.

 

O número de homens que entrariam na terra prometida (601.730 – Nm.26.51) é praticamente o mesmo número de homens que morreram no deserto. A semelhança numérica não deve ser considerada casual, mas uma revelação do poder providenciador de Deus que cumpre sua palavra a despeito de todos os empecilhos que aparecem. Deus levantou outra geração melhor do que a geração anterior, em semelhante número, para herdar a terra prometida e cumprir os propósitos de Deus, como disse o salmista: “Da boca de pequeninos e crianças de peito suscitaste força, por causa dos teus adversários, para fazeres emudecer o inimigo e o vingador.” (Sl.8.2).

 

Portanto, nada pode impedir os planos de Deus! É nesse sentido que devemos entender as seguintes palavras de Deus, ditas pelo profeta Isaías: “assim será a palavra que sair da minha boca: não voltará para mim vazia, mas fará o que me apraz e prosperará naquilo para que a designei” (Is.55.11). Deus é poderoso para cumprir sua vontade sempre, não importando quantos empecilhos apareçam pelo caminho. A revelação do poder de Deus em sua providência deve levar a igreja a uma plena confiança e segurança diante das muitas adversidades que aparecem em sua jornada, a fim de jamais desistir de realizar a obra do Senhor, mesmo diante das mais hostis ameaças dos inimigos de Cristo.

 

Então, descanse seu coração em Deus, confiando no poder do Senhor para nos sustentar e na graça que dele recebemos, graça que nos basta (2Co.12.9). Lembre-se do longo caminho duro e difícil percorrido pelo povo de Deus para dar à luz a Cristo, o Salvador (Hb.11). Então, dedique-se, também, para realizar a obra de Deus com firmeza e perseverança, confiando no poder providenciador de Deus (1Co.15.57-58). Faça o que disse o apóstolo: “Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças.” (Fp.4.6), a fim de que a “a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus” (Fp.4.7), lembrando sempre que nada pode nos separar do amor de Cristo, como disse Paulo:

 

Que diremos, pois, à vista destas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?  32 Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas?  33 Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica.  34 Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós.  35 Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada?  36 Como está escrito: Por amor de ti, somos entregues à morte o dia todo, fomos considerados como ovelhas para o matadouro.  37 Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou.  38 Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes,  39 nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor. (Rm.8.31-39)

 

Compartilhe no Facebook
Gostei
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Pastor Alexandre A. Costa

Ligue:

54 984 136 915

Igreja Matriz: 

Rua Ernesto Zanrosso, 2669

Caxias do Sul-RS

  • White Facebook Icon
  • White YouTube Icon
  • Branco Ícone Google+
  • SARCAICO

Envie seu Pedido de Oração

*Campos Obrigatórios

Congregação em Vacaria: 

Rua Teodoro Borges dos Santos, 520, Vacaria-RS

Versão 4.4.3 © 2017 Igreja Presbiteriana de Caxias do Sul. Todos os Direitos Reservados.