O que Cristo deseja que meu cônjuge seja

March 9, 2019

 

 

“e conhecer o amor de Cristo, que excede todo entendimento, para que sejais tomados de toda a plenitude de Deus” (Ef.3.19)

 

Como você deseja que seu cônjuge seja? Normalmente, queremos que o cônjuge seja semelhante a nós mesmos, razão para gastarmos muito esforço em tentar mudar o outro à nossa imagem. Mas, será que Deus quer que seja assim? Deveríamos querer que nosso cônjuge seja igual a nós? Ou deveríamos desejar que nosso cônjuge seja semelhante a Cristo?

 

O mundo do conto de fadas criou uma caricatura sobre a vida e sobre o casamento que não se encaixa na realidade nem aponta para Cristo. No conto de fadas as virtudes humanas são exaltadas, a aparência costuma ser destacada e o amor é idolatrado como uma espécie de poder redentor capaz de mudar pessoas e garantir a felicidade eterna. Portanto, no conto de fadas, Cristo não é a razão e o propósito da criação nem o alvo da história humana. Antes, em tais contos é reafirmado o egocentrismo do coração pecador, apresentando o ser humano como centro de todas as coisas, razão para tudo girar em torno dos personagens principais das ficções que visam induzir o público a identificar-se com eles.

 

A partir dessa referência inculcada na cabeça das gerações, rapazes e moças passam a idealizar um casamento nos moldes dos contos de fadas, colocando toda a expectativa de uma vida feliz sobre os ombros do futuro cônjuge. Não é de se estranhar que haja tantos divórcios em nossos dias, afinal, mais cedo ou mais tarde, aqueles jovens descobrem que a vida não é um conto de fadas e que o cônjuge não é uma pessoa encantada e sem defeitos.

 

Diversas das brigas, confusões, discussões, contendas e frustações decorrem do desejo e esforço de um cônjuge em querer moldar o outro à sua personalidade. O coração egoísta atua ativamente no propósito de fazer com que o casamento gire em torno dele. O coração narcisista coloca-se como referência do casamento, entendendo que o cônjuge deve atender às suas expectativas e desejos, mas não conseguindo alcançar seu objetivo, sente-se injustiçado e frustrado, no direito de pedir o divórcio.

 

Por causa do egocentrismo natural do ser humano, nenhum dos cônjuges costuma perguntar, quer em momentos bons quer em momentos ruins, o que Cristo deseja para o casamento. Será que o formador da família não tem uma vontade para ela? Você já perguntou o que Cristo deseja para seu cônjuge e para você? Vocês já procuraram qual a vontade de Cristo para a vida de vocês, tanto para o esposo e pai quanto para a esposa e mãe? Vocês estão procurando moldar a própria vida a Cristo? Já pensaram que até os defeitos do cônjuge podem ajudar no propósito de trabalhar o caráter de ambos, bem como auxiliá-los a aprenderem a contentar-se com Cristo (Sl.63.3; 2Co.12.9)?

 

As perguntas acima são importantes porque tiram o foco dos cônjuges e o colocam sobre Cristo, afinal tudo existe por Ele e para Ele (Rm.11.36). Cristo é a causa e propósito da vida e, portanto, o único que pode dar a felicidade para alguém, pois a felicidade está nEle. Por isso, as pessoas sempre serão frustradas ao tentar encontrar a felicidade em outros lugares e ao colocar todas as expectativas de uma vida feliz sobre os cônjuges imperfeitos, limitados e mortais.

 

Então, em vez de gastar tempo e esforço tentando mudar o cônjuge para molda-lo à nossa própria imagem, deveríamos gastar tempo procurando moldar nossa própria vida à imagem de Cristo. Portanto, devemos perguntar: O que Cristo deseja que meu cônjuge seja? Essa pergunta sinaliza a ideia de que Cristo é mais importante do que eu e que a vontade dEle é mais importante que a minha. Indica que Cristo tem interesse no casamento e, também, um propósito com ele. Podemos dizer ainda que a pergunta nos lembra que não somos o centro do universo nem “a medida de todas as coisas”. E, por fim, podemos apontar para a necessidade de que cada um dos cônjuges aprenda a contentar-se com Cristo e tenha prazer em ver o operar de Cristo no meio do lar com a finalidade de moldar o caráter ao de Cristo, restaurando a imagem dEle no casal.

 

Para saber tudo o que Cristo deseja para a vida dos cônjuges será necessário interesse em ouvir Deus falar por meio da Escritura Sagrada. Nela, encontramos todas as respostas às perguntas práticas sobre como deve ser o viver de todas as pessoas no dia a dia (Mt.5-7; Rm.12.9-21; 1Co.12.12-27 etc.) e, também, como deve ser o comportamento específico do homem bem como o modo de agir da mulher (Sl.128; 1Tm.2.8-15; 1Pe.3.1-7 etc.). Na Palavra de Deus, encontramos mandamentos sobre a relação sexual (1Co.7.3-9); ordenanças sobre a forma como um cônjuge deve tratar o outro (Ef.5.22-33); e, ensinamentos sobre a relação pais-filhos (Ef.6.1-4).

 

Com os olhos fitos em Cristo, buscando as coisas lá do alto (Cl.3.1-3), até as diferenças e adversidades poderão ser compreendidas como bons instrumentos para Deus trabalhar o caráter de cada cônjuge (1Pe.3.1-7). Aquilo que é frustrante para uns, para o cristão pode ser uma bênção, já que “todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito” (Rm.8.28). Conforme disse o apóstolo Paulo, “o que é para eles prova evidente de perdição é, para vós outros, de salvação, e isto da parte de Deus” (Fp.1.28).

 

Não é em vão que devemos suportar uns aos outros (Cl.3.13). Somos desafiados a ter paciência quando o cônjuge faz coisas que não gostamos. Somos lembrados da incondicionalidade do amor quando o cônjuge não merece nossa dedicação e carinho. Podemos colocar em prática a misericórdia diante dos diversos defeitos do cônjuge, sabendo o quanto o Senhor tem sido misericordioso para conosco. Desse modo, o casamento mostra-se como uma importante oficina para o desenvolvimento do caráter cristão, desde que adornado pela Palavra e Espírito de Deus.

 

É na família que a mulher desenvolve o respeito e a submissão devidos às autoridades, a começar com o pai, seguido do marido (Ef.5.22-24; 6.1-3). O relacionamento com o esposo oferecerá um grande desafio para as esposas (principalmente em nossos dias feministas), a fim de saberem resistir ao orgulho aflorado pelo mundo autossuficiente de nossos dias. Um viver humilde e modesto, manso e tranquilo é de grande valor diante de Deus (1Pe.3.4) que “resiste aos soberbos, contudo, aos humildes concede a sua graça” (1Pe.5.5). É de grande proveito a mulher ser provada para ser aprovada (Tg.1.12), mostrando-se amável e dedicada sentindo-se feliz com o marido. Tal comportamento serve de modelo para a igreja, a noiva de Cristo, que deve contentar-se plenamente com seu noivo Jesus.

 

Portanto, aquilo que aparentemente é ruim por contrariar as vontades do coração, batendo de frente com a personalidade e o temperamento da esposa, torna-se grande instrumento nas mãos do Senhor para trabalhar a vida de sua serva. Mesmo sem saber, o esposo (com todos os defeitos que também precisam ser corrigidos) contribui para o crescimento de sua esposa, desafiando-a a um proceder cristão diante das adversidades. Caso ambos sejam cristãos, a atmosfera do lar adornado pela Palavra e Espírito de Deus torna-se um agradável ambiente de transformação e edificação.

 

Os desafios dentro da vida familiar também alcançam o homem. Há muito o que ser mudado em um homem para que venha a parecer com Cristo. Jesus é o perfeito noivo da igreja que a ama e se deu por ela (Ef.5.25-27). Ele é gentil e amável, firme em suas decisões tomadas por amor à sua amada igreja. Ele é valente e trabalhador, sempre vigilante e dedicado para proteger e sustentar sua noiva. Quando ela erra, ele a perdoa; diante de suas imperfeições, ele é paciente. Esse é o modelo deixado por Cristo para que o marido glorifique a Deus em sua relação com a esposa.

 

Todavia, o homem não é, naturalmente, uma joia. Ele se parece muito mais com uma pedra bruta e bastante dura. O orgulho do homem é tão feroz quanto o da mulher. Quando incomodado, pode sentir-se inclinado a reagir com aspereza. Quando seu orgulho é ferido pode agir com ignorância diante da esposa e filhos. Reconhecer seus erros não faz parte de sua natureza, desde a queda de Adão e Eva (Gn.3.12). Pedir perdão e perdoar pode custar algumas noites de oração para a esposa e alguns dias de reflexão para o marido.

 

Tanto o marido quanto a esposa precisam entender que o casamento (e a família como um todo) é de grande auxílio, caso sejam dirigidos pela Palavra do Senhor e quebrantados pelo Espírito Santo. A família não fará milagres na vida de seus membros, mas será o ambiente para Deus operar suas maravilhas no coração de cada um. É evidente que a relação dos cônjuges com Cristo é indispensável para que o processo de aprendizado e crescimento no conhecimento de Cristo e na prática de uma vida cheia do Espírito seja bem-sucedido.

 

Para que um cônjuge seja verdadeiro auxílio ao outro, é necessário que compreendam o alvo de Deus para cada um: Cristo. O propósito do casamento não é tornar um cônjuge semelhante ao outro para o deleite de ambos, mas transformar a vida de ambos à imagem de Cristo para o bem de todos e a glória de Deus. Cônscios disso, os cônjuges deverão estar dispostos a serem trabalhados por meio de contrariedades como Paulo foi contrariado por Deus e o louvou por confiar plenamente na vontade do Senhor (2Co.12.7-10).

 

Prontos para todo o trabalhar de Deus em suas vidas, os cônjuges poderão fazer bom proveito da vida conjugal com todas as suas variáveis. O ponto de partida para essa grande jornada é o quebrantamento do coração (Ez.36.26-27; Jo.3.3). Vocês querem que Deus trabalhe a vida de vocês? Vocês desejam que Cristo seja impresso na vida de vocês? Vocês amam mais ao Senhor da glória do que a si mesmos? Então, ambos precisam negar a si mesmos (Mt.16.24) em cada desafio do casamento e em cada contrariedade que surja na relação conjugal. Afinal, foi Deus quem criou o casamento e fez dele um ambiente propício para trabalhar a vida dos cônjuges, de modo que não rejeitamos nem ofendemos pessoas quando pecamos, mas ao próprio Deus que tanto nos amou que entregou seu filho por nós (Rm.5.8).

Compartilhe no Facebook
Gostei
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Pastor Alexandre A. Costa

Ligue:

54 984 136 915

Igreja Matriz: 

Rua Ernesto Zanrosso, 2669

Caxias do Sul-RS

  • White Facebook Icon
  • White YouTube Icon
  • Branco Ícone Google+
  • SARCAICO

Envie seu Pedido de Oração

*Campos Obrigatórios

Congregação em Vacaria: 

Rua Teodoro Borges dos Santos, 520, Vacaria-RS

Versão 4.4.3 © 2017 Igreja Presbiteriana de Caxias do Sul. Todos os Direitos Reservados.