A necessidade de se pedir perdão

March 20, 2019

 

 

“Confessei-te o meu pecado e a minha iniquidade não mais ocultei. Disse: confessarei ao SENHOR as minhas transgressões; e tu perdoaste a iniquidade do meu pecado. Sendo assim, todo homem piedoso te fará súplicas em tempo de poder encontrar-te. Com efeito, quando transbordarem muitas águas, não o atingirão” (Sl.32.5-6)

 

Quão difícil é para o homem pedir perdão por seus pecados. Todavia, pedir perdão após reconhecer algum erro cometido não é sinônimo de fraqueza, como se pensa costumeiramente, mas de maturidade. Davi foi um homem valente, que em sua tenra idade não temeu lutar contra um urso e um leão (1Sm.17.34-36); em sua adolescência não temeu matar um gigante guerreiro que afrontava o Senhor (1Sm.17.37); e, no curso de sua vida lutou em grandes guerras alcançando a paz para o povo de Israel (1Cr.28.3). E mesmo tornando-se o grande rei de Israel, estava pronto para pedir perdão por causa de seus erros (Sl.32; 38; 51).

 

Foi, também, um rei quem disse: “O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia” (Pv.28.13), afinal “bem-aventurado aquele cuja iniquidade é perdoada, cujo pecado é coberto” (Sl.32.1). A confissão de pecados pode ser considerada como vitória contra a dureza do coração pecador que se recusa a reconhecer sua miséria e pedir ajuda para Deus, a fim de que possa viver uma nova vida por meio da superabundante graça do Senhor.

 

Para o mundo, o bom líder é aquele que não erra, mas para Deus o líder segundo sua Palavra é aquele que reconhece seus erros, se retrata diante do Criador e segue alegremente fazendo a vontade do Senhor. A ideia de que o reconhecimento de erros cometidos está associado à fraqueza pode ser vista na constante propagação que a mídia faz dos erros cometidos por nosso presidente. Em vez de verem virtude na retratação e humilde confissão, o mundo vê fraqueza. Essa atitude é própria de um mundo que ambiciona a glória de Deus, como a ambicionava o rei da Babilônia: “Tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do Norte; subirei acima das mais altas nuvens e serei semelhante ao Altíssimo” (Is.14.13-14).

 

O que impede que pessoas peçam perdão umas às outras é o orgulho de um coração que pensa mostrar-se forte em sua tentativa de transparecer perfeição. Por esse motivo, líderes não pedem perdão quando cometem diversos erros; cônjuges não pedem perdão quando pecam um contra o outro; irmãos em cristo preferem deixar a igreja a ter que confessar suas faltas e restabelecer um relacionamento puro com os demais. E sem o perdão mútuo as relações tornam-se superficiais e aparentes, formais e até cansativas.

 

Outro problema que a falta de perdão pode gerar é uma balança injusta. Para aquele que não pede perdão, a lei é sempre aplicada ao outro. Vemos isso quando, em João 8.1-11, Jesus livrou uma mulher adúltera da condenação dos escribas e fariseus, os mesmos que planejariam a morte de Cristo sem qualquer consciência de pecado (Mt.27.4). Também é possível encontrar tal desigualdade na “praxe” de burlar a lei por interesses particulares, razão para vermos diversas pessoas terem medo de se expressar em concílios. E constantemente isso acontece quando pessoas pedem perdão a Deus, mas não se dispõe a perdoar a quem as feriu em alguma medida (Mt.18.23-35). Desse modo, a lei serve para quem convém quando o coração endurecido não reconhece seus próprios pecados, a fim de confessa-los a Deus para uma nova caminhada.

 

Mas, há tempo para mudar isso! As cartas do apóstolo Paulo não foram escritas para pessoas incrédulas, mas para cristãos confessos, mostrando que o processo de transformação do cristão ocorre ao longo de sua jornada. Portanto, devemos lembrar constantemente seu ensino sobre a necessidade de se praticar a confissão e o perdão, habitualmente: “Suportai-vos uns aos outros, perdoai-vos mutuamente, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem. Assim como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós” (Cl.3.13).

 

Pedir perdão é uma necessidade para o indivíduo e para a sociedade. Sem essa prática, o homem não encontra o perdão divino, a fim de estar em paz com Deus por intermédio da justiça do Senhor Jesus. Essa paz traz alívio para o coração do pecador arrependido, pois está adornada com a fé nas promessas do Senhor. A consciência de culpa pela ausência de confissão deixa o coração apertado e a mente pesada, sem paz, “porque a tua mão pesava dia e noite sobre mim, e o meu vigor se tornou em sequidão de estio” (Sl.32.4).

 

A sociedade também precisa da prática de pedir perdão, a partir das relações familiares. Casamentos sem perdão se esgotam até que um dos dois, ou ambos, sinta-se cansado demais para continuar. Pedir perdão com sinceridade de coração pode salvar muitos casamentos que estavam à beira da completa ruina. O homem não é mais homem se encobrir seus erros nem a mulher será mais atraente se fingir não ter falhas. Muito ao contrário, o hábito de reconhecer humildemente as próprias faltas mostra maturidade e beleza de coração, capaz de cativar aqueles que estão dentro da relação conjugal.

 

De modo semelhante, as relações dentro da igreja de Cristo precisam ser profundamente adornadas com o perdão mútuo. Não reconhecer as próprias faltas enquanto, inevitavelmente, se está sempre observando os erros dos outros faz com que as relações sejam fingidas e superficiais. Pessoas que não reconhecem seus erros não estão prontas para viver em comunhão com outras. Essa é uma das razões para a constante migração de pessoas de uma igreja para outra, sem qualquer relação com a doutrina. É preciso resgatar o hábito de se pedir perdão, mutuamente, dentro das igrejas, a fim de se salvar as relações cristãs.

 

A prática de se pedir perdão enriquece relações. O orgulhoso se faz humilde e reconhece que, assim como os demais, também está sujeito a muitos erros. Desse modo, desaparece a disparidade entre as pessoas, pois já não haverá melhores e piores, mas pecadores arrependidos dispostos a perdoar e pedir perdão, prontos para ajudar uns aos outros no propósito de viver uma vida agradável a Deus. São estes que formam uma sociedade justa e agradável, igrejas verdadeiras e puras, famílias saudáveis e estáveis. Afinal, há apenas um homem que nunca pecou e jamais pecará: Jesus Cristo!

 

Compartilhe no Facebook
Gostei
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Pastor Alexandre A. Costa

Ligue:

54 984 136 915

Igreja Matriz: 

Rua Ernesto Zanrosso, 2669

Caxias do Sul-RS

  • White Facebook Icon
  • White YouTube Icon
  • Branco Ícone Google+
  • SARCAICO

Envie seu Pedido de Oração

*Campos Obrigatórios

Congregação em Vacaria: 

Rua Teodoro Borges dos Santos, 520, Vacaria-RS

Versão 4.4.3 © 2017 Igreja Presbiteriana de Caxias do Sul. Todos os Direitos Reservados.