A relativização da Verdade

December 28, 2019

 

“Ora, destruídos os fundamentos, que poderá fazer o justo?” (Sl.11.3)

 

O relativismo e o pluralismo ganharam muito mais terreno no cristianismo do que parece. É fácil demonstrar sua ampla presença no cristianismo de nossos dias. Pergunte para diversos cristãos se os seis últimos mandamentos de Êxodo 20.1-17 são válidos para todas as gerações e se, portanto, deveríamos obedecê-los hoje, também: Honrar pai e mãe, não matar, não adulterar, não furtar, não dizer falso testemunho e não cobiçar. Com certeza, a grande maioria dos cristãos afirmará com convicção, até citando textos do Novo Testamento, que tais mandamentos devem ser obedecidos hoje. Podemos perguntar o mesmo sobre os três primeiros mandamentos das tábuas da Lei (Ex.20.1-17): Não ter outros deuses, não fazer imagens de Deus, não dizer o nome de Deus em vão. A resposta será tão convicta quanto a primeira, mesmo que surjam algumas ressalvas.

 

Mas, se, em uma terceira pergunta, questionássemos sobre a validade do quarto mandamento da Lei moral para nossos dias: guardar o dia do Senhor (Ex.20.8-11), encontraríamos grandes divergências e rejeições à permanência desse mandamento que, em linhas gerais, será considerado atrelado apenas aos dias do Antigo Testamento. Eis a presença do relativismo e do pluralismo em nossos dias. Ou seja, a interpretação de um texto dependerá de vários fatores pessoais e culturais relacionados àqueles que leem. A hermenêutica cristã foi atingida pelo relativismo, tornando-se, tantas vezes, confusa e desordenada, pela ausência de uma coerência absoluta no uso de regras extraídas da própria Palavra de Deus.

 

Esse é apenas um exemplo de muitos outros que poderiam ser dados. Quando um cristão (principalmente preletor) prega sobre humildade, mas busca a fama, a glória e o domínio; fala sobre amor, mas rejeita aqueles que lhe são indesejados; proclama Sola Scriptura, mas alimenta a necessidade de tradições extra bíblicas; defende a igualdade, mas trata irmãos em Cristo com diferenças; anuncia a justiça, mas faz uso da política (eclesiástica ou não) desonestamente; ensina sobre a necessidade de se orar antes de toda e qualquer decisão, mas apresenta propostas para serem aprovadas sem qualquer tempo dedicado à oração, tal pessoa está praticando o relativismo, mostrando que a Verdade não é absoluta, já que não se aplica a todos indistintamente nem a todo caso inquestionavelmente.

 

O mesmo pode ser visto nas relações familiares. Todo cristão sabe que o primeiro grande mandamento é amar a Deus de todo o coração, de toda a alma e de toda a força (Dt.6.5) e que o segundo é amar ao próximo como a si mesmo (Mt.22.36-40). Mas, a quem deveriam ser aplicados esses mandamentos? Já que devemos amar a Deus, obedecê-lo quando a vontade dEle é contrária à nossa não deveria ser uma expressão desse amor? Porque o amor parece ser aplicado apenas quando é conveniente para nós, ou quando parece que Deus está satisfazendo nossas vontades, graciosamente? Esse mandamento não deveria ser aplicado à guarda do dia do Senhor, à ordenança para se perdoar setenta vezes sete e à preservação do casamento a despeito de todas as lutas inerentes? Deus não deveria ter completa primazia no uso de “nosso” tempo, esforço e bens?

 

Já que devemos amar ao próximo, a esposa e os filhos não seriam próximos também? Ser submissa ao marido não seria uma expressão de amor a Deus e ao próximo? Abrir mão de vontades e conforto pessoais para conduzir a família a Cristo não seria uma forma do líder da família amar a Deus e ao próximo? Sem a Verdade absoluta, os relacionamentos são relativizados e até mesmo a relação entre cristãos (pastores e membros) dependerá da conveniência, de modo que o interesse particular poderá reinterpretar o significado de próximo e a forma como este próximo deverá ser tratado. Tudo isso resulta da relativização da verdade dentro dos corações.

 

A Verdade foi relativizada em sua teoria e prática, razão para ser lida e aplicada apenas quando convém às partes interessadas. Conceitos fundamentais como Sola Scriptura, Sola Gratia, Sola fide, Solus Christus e Soli Deo Gloria dependerão do contexto pessoal e cultural daqueles que fazem uso de tais expressões. Sempre haverá um ídolo de estimação (que precisa ser expulso) guardado e intocável no coração dos pecadores. Portanto, a relativização da verdade demonstra que o humanismo secular tem prevalecido na cultura (cristã) do mundo ocidental, estabelecendo o homem como a medida de todas as coisas, à moda greco-romana.

 

Urge, então, a necessidade de se estabelecer uma cosmovisão bíblica em nossa geração. Ou seja, é preciso que a Verdade seja realmente absoluta como pressuposto mais fundamental do coração do homem de nossos dias, sobretudo do cristão (não importa quem a diga). Por conseguinte, é extremamente importante que tal Verdade absoluta seja orientadora de todas as ações e decisões daqueles que um dia disseram ter sido resgatados do império das trevas (diabo, mundo e carne) e transportados para o Reino do Filho do amor de Deus (Cl.1.13).

 

Para adquirir uma cosmovisão bíblica, será necessário muito mais do que “aparecer na igreja” de vez em quando, ainda que seja dominicalmente. É preciso andar com Cristo, pois quanto mais se anda com Deus, mais parecidos nos tornamos com Ele. Paulo nos diz que o Espírito Santo e a Sagrada Escritura têm esse propósito: “E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito” (2Co.3.18).

 

Por que os filhos costumam se parecer com os pais? A razão é simples: eles andam com seus pais durante anos de suas vidas. Mesmo que os pais não sejam tão presentes na vida de seus filhos, o simples fato de conviverem com eles será instrumento para molda-los à semelhança de seus pais, quer bons quer ruins. Por esse motivo, não adiantará ensinar verbalmente o que é certo aos filhos se, no dia a dia, os pais vivem de forma contrária a esse ensino. Nos tornamos parecidos com aqueles com quem andamos diariamente, sejam pais sejam amigos, quer por meio da convivência quer através de seus escritos.

 

Portanto, a família e a igreja precisam, urgentemente, assumir uma cosmovisão verdadeiramente bíblica que, consequentemente, abarque toda a realidade, pois Deus é sua única fonte. Essa cosmovisão será coerente em seu todo e suas partes. A Verdade será absoluta para todos e em todas as circunstâncias, possibilitando uma vida integralmente coerente enquanto capacitará cada cristão a dar respostas coerentes para um mundo completamente confuso. Algo que o humanismo é completamente incapaz de fazer.

 

O perigo da relativização da Verdade não se encontra dentro dos centros acadêmicos quando discutida em teorias de doutores. A relativização da Verdade revela seus piores males ao encontrar-se na vida cotidiana dentro dos lares, das escolas primárias, dos centros comerciais, da segurança pública e das igrejas locais. Ela é a responsável pelo favorecimento do aborto, pela aderência à ideologia de gênero, pelo reducionismo das academias naturalistas dos centros educacionais, pelo vasto número de divórcios tanto entre cristãos quanto não cristãos.

 

Então, famílias e igrejas, reavaliem a forma como estão se relacionando com a Verdade. Quão absoluta a Verdade é para vocês, tanto na prática quanto na teoria? A Escritura tem sido tratada como Palavra de Deus em toda e qualquer situação? Seus ensinos tem sido observados a despeito das dificuldades presentes por ocasião de estarmos em um mundo pecador? A cosmovisão bíblica tem sido o pressuposto direcionador de suas escolhas e atitudes? Suas respostas às mais diversas questões levantadas por esse mundo são fruto de uma convicção profunda do novo coração dado e ensinado por Cristo? Somente a Verdade absoluta poderá conduzir você a responder essas e outras perguntas importantes a seu dia a dia.

Compartilhe no Facebook
Gostei
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Pastor Alexandre A. Costa

Ligue:

54 984 136 915

Igreja Matriz: 

Rua Ernesto Zanrosso, 2669

Caxias do Sul-RS

  • White Facebook Icon
  • White YouTube Icon
  • Branco Ícone Google+
  • SARCAICO

Envie seu Pedido de Oração

*Campos Obrigatórios

Congregação em Vacaria: 

Rua Teodoro Borges dos Santos, 520, Vacaria-RS

Versão 4.4.3 © 2017 Igreja Presbiteriana de Caxias do Sul. Todos os Direitos Reservados.