Habacuque (1.1-4) - Na perplexidade, ore ao Senhor

March 19, 2020

 

“Até quando, SENHOR, clamarei eu, e tu não me escutarás? Gritar-te-ei: Violência! E não salvarás?” (Hc.1.2)

 

Dias difíceis nos deixam perplexos. Mesmo homens que já praticaram coisas horríveis ficam indignados quando a maldade é praticada contra aqueles que eles amam. Não fomos feitos para o mal, mas, sim, para o bem. E não poderia ser diferente, pois fomos criados à imagem daquele que é Santo em todos os seus atributos (amor, bondade, paciência, justiça, fidelidade, benignidade etc.) e fez todas as coisas muito boas (Gn.1.31; Is.6.3). Por isso, encontramos a mesma perplexidade no livro do profeta Habacuque, um homem que viveu em dias muito maus do povo de Deus, pois a Palavra de Deus não estava regendo a vida pessoal, familiar e social de Judá.

 

Em 732 a.C., As tribos do norte caíram pelas mãos do império Assírio, como castigo proveniente de Deus, tendo em vista todos os pecados do povo que não se arrependeu de toda sua profunda idolatria (2Rs.17). Judá e Benjamin, as tribos restantes (Além de Levi que não possuía território) deveriam ter aprendido o temor a Deus, vendo a manifestação da justiça do Senhor sobre as tribos irmãs. Todavia, não havia domínio próprio no coração daquele povo “propenso para o mal” (Ex.32.22). Mesmo tendo Deus levantado bons reis para conduzirem o povo à Palavra do Senhor, tais como Asa (2Cr.14.2), Josafá (1Rs.22.43), Amazias (2Cr.25.2), Uzias (2Cr.26.4), Jotão (2Cr.27.2), Ezequias (2Cr.29.2) e Josias, conhecido como o reformador de Judá, (2Cr.34.2).

 

Agora, Habacuque se depara com semelhante problema em seu povo, a tribo de Judá e Benjamin. Segundo o profeta, a violência, a iniquidade, a opressão, a destruição, a contenda, o litígio e a injustiça tornaram-se parte do dia a dia de um povo que se chamava pelo nome do Senhor. Por meio do profeta Isaías, Deus diz: “o meu nome é blasfemado incessantemente todo o dia” (Is.52.5). O clamor de Habacuque é enfático, fazendo referência à sete pecados sociais para apontar o contexto caótico de Judá (Hc.1.2-4). O problema já estava em um nível tão elevado que não havia a quem recorrer nos tribunais de Judá, pois não havia justos para julgarem retamente, como nos diz o profeta: “a lei se afrouxa, e a justiça nunca se manifesta, porque o perverso cerca o justo, a justiça é torcida” (Hc.1.4). Vejamos os quatro primeiros versículos do livro de Habacuque:

 

Sentença revelada ao profeta Habacuque. Até quando, SENHOR, clamarei eu, e tu não me escutarás? Gritar-te-ei: Violência! E não salvarás? Por que me mostras a iniquidade e me fazes ver a opressão? Pois a destruição e a violência estão diante de mim; há contendas e o litígio se suscita. Por esta causa, a lei se afrouxa, e a justiça nunca se manifesta, porque o perverso cerca o justo, a justiça é torcida. (Hc.1.1-4)

 

Ao contrário do que pode parecer, o profeta não está murmurando da vida. Ele está elevando sua voz a Deus e apresentando sua oração ao Senhor, perplexo com a maldade em meio a seu povo. Ele não consegue entender a razão dos pecados só aumentarem no meio do povo de Deus sem que o Senhor tome uma atitude drástica. Por que Deus não age? Por que Deus não purifica seu povo? Como Deus pode ver toda a maldade de seu povo e não fazer nada? O profeta precisa acalmar seu coração na presença do Senhor e, por isso, busca a Deus em oração. Habacuque está inconformado com os pecados de Judá e anseia pela ação divina, a fim de que os justos não sejam destruídos, de modo que os ímpios se proliferem na terra que o Senhor havia dado para seu povo.

 

O que você faz quando se depara com problemas: quer naturais quer sociais, sejam coletivos sejam individuais? O comum hábito de murmurar não resolve os problemas de uma criação sujeita ao pecado. Paulo nos ensina, em sua carta a Timóteo, a usar “a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todos os homens, em favor dos reis e de todos os que se acham investidos de autoridade, para que vivamos vida tranquila e mansa, com toda piedade e respeito” (1Tm.2.1-2). Provérbios nos conduz à oração por todos aqueles que Deus investiu de autoridade, dizendo que “Como ribeiros de águas assim é o coração do rei na mão do SENHOR; este, segundo o seu querer, o inclina” (Pv.21.1).

 

A perplexidade de Habacuque nos conduz inevitavelmente a refletirmos sobre as angústias de Cristo que se humilhou vivendo entre pecadores (Fp.2.7). Quem poderia sentir e sofrer mais a maldade dos pecadores do que Aquele que nunca pecou? Se nós que somos maus (Mt.7.11) nos indignamos com a maldade alheia quanto mais se entristecerá aquele que nunca fez mal algum. Jesus esteve perplexo com os pecados dos homens de sua geração e exclamou: “geração incrédula e perversa! Até quando estarei convosco? Até quando vos sofrerei?” (Mt.17.17). E como se não bastasse ter que suportar a maldade diária do ser humano, Cristo foi condenado à morte injustamente, tendo que morrer pelas mãos de homens ímpios (Herodes e Pôncio Pilates). Mesmo assim, Jesus suportou a sua geração com graça e misericórdia, esperando pacientemente o dia em que deveria cumprir a redenção em favor de sua igreja.

 

Quando esteve diante de problemas, Habacuque clamou ao Senhor, a fim de encontrar auxílio em Deus. Apesar de sua perplexidade, Habacuque sabe que o Senhor é o Soberano de toda a terra e, por isso, aguarda uma resposta graciosa de Deus. Nesse curto trecho do livro (Hc.1.1-4), somos conduzidos à santidade do Senhor. Deus é Santo e, por isso, reprova todo tipo de pecado, quer individual quer social. Por essa razão, o profeta espera uma ação divina contra toda maldade daquela geração perversa. O que Habacuque não sabia é que a definitiva solução contra todo pecado do ser humano ainda estava por vir e deveria ser aguardada como quem espera o dia certo para a mulher dar à luz a seu filho. Deus não estava alheio aos problemas da nação nem deveria, o profeta, pensar numa possível inercia divina. O Senhor estava providenciando a chegada do Redentor, Cristo Jesus, o Filho de Deus.

 

Portanto, diante dos mais variados problemas que sobrevêm ao mundo, devemos clamar a Deus na certeza de que o Senhor tudo sabe e tudo pode. Não devemos pensar que Deus esteja alheio aos problemas nem que Ele não se importe com o sofrimento de seu povo. O Senhor tem um momento certo para todas as coisas, a fim de que toda a história glorifique seu Santo NOME e testemunhe toda a glória “daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade” (Ef.1.11). Então, acalme seu coração no Senhor lembrando que Cristo, mais do que qualquer outra pessoa, sofreu as angústias de ter que conviver com um mundo conturbado, em uma criação desarmônica. E Ele fez isso, para que um dia pudéssemos viver em um novo céu e nova terra (Ap.21-22), onde a vontade de Deus reinará perfeitamente no coração de todos os habitantes do Reino celeste e a própria criação viverá em completa harmonia para o louvor da glória daquele que tudo faz muito bom. Então, descanse o coração em Deus e espere nEle!

Compartilhe no Facebook
Gostei
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Pastor Alexandre A. Costa

Ligue:

54 984 136 915

Igreja Matriz: 

Rua Ernesto Zanrosso, 2669

Caxias do Sul-RS

  • White Facebook Icon
  • White YouTube Icon
  • Branco Ícone Google+
  • SARCAICO

Envie seu Pedido de Oração

*Campos Obrigatórios

Congregação em Vacaria: 

Rua Teodoro Borges dos Santos, 520, Vacaria-RS

Versão 4.4.3 © 2017 Igreja Presbiteriana de Caxias do Sul. Todos os Direitos Reservados.