Habacuque (1.5-11) - Deus responde a seu povo

March 19, 2020

 

“Vede entre as nações, olhai, maravilhai-vos e desvanecei, porque realizo, em vossos dias, obra tal, que vós não crereis, quando vos for contada” (Hc.1.5)

 

Deus é tão bom, tão gracioso, tão misericordioso que responde quando seu povo clama: “se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e me buscar, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra” (2Cr.7.14). O Senhor não tem obrigação de responder ou atender a qualquer criatura, mas por seu santo amor que o glorifica, o Senhor se dispõe, “conforme o beneplácito de sua vontade” (Ef.1.5), a atender ao chamado de suas criaturas que clamam por seu favor.

 

Esta graça torna-se ainda mais superabundante (Rm.5.20) quando refletimos na condição do homem perante seu Criador (Sl.14; Sl.53). Se a anjos que nunca pecaram o Senhor não tem por obrigação ouvir nem atender a voz, quanto mais a pecadores sujos, indignos, rebeldes, egoístas, indiferentes, incrédulos e cheios de toda maldade (Rm.3.10-18). O ser humano se fez inimigo de Deus e sua condição pecadora é completamente repugnante à santidade do Senhor. O homem não apenas peca por vacilo (o que seria suficiente para estar debaixo da ira de Deus); ele transgride a Palavra de Deus por rebeldia, propositadamente. As pessoas sabem que estão pecando, são advertidas, mas debocham fingindo que tudo está bem. Elas são rebeldes contra Deus. Assim como o porco é um animal sujo para o homem, assim é a condição do pecador perante seu Criador (Mt.7.6; At.11.5-18). Contudo, quando este homem, mergulhado na lama, é purificado pelo sangue de Cristo (Rm.5.1; 1Jo.1.7) e se volta para Deus suplicando seu auxílio, Deus se compadece de sua miserável condição e o socorre em meio a aflição.

 

Assim, após Habacuque ter orado ao Senhor (Hc.1.1-4), Deus respondeu com as seguintes palavras:

 

Vede entre as nações, olhai, maravilhai-vos e desvanecei, porque realizo, em vossos dias, obra tal, que vós não crereis, quando vos for contada.  6 Pois eis que suscito os caldeus, nação amarga e impetuosa, que marcham pela largura da terra, para apoderar-se de moradas que não são suas.  7 Eles são pavorosos e terríveis, e criam eles mesmos o seu direito e a sua dignidade.  8 Os seus cavalos são mais ligeiros do que os leopardos, mais ferozes do que os lobos ao anoitecer são os seus cavaleiros que se espalham por toda parte; sim, os seus cavaleiros chegam de longe, voam como águia que se precipita a devorar.  9 Eles todos vêm para fazer violência; o seu rosto suspira por seguir avante; eles reúnem os cativos como areia.  10 Eles escarnecem dos reis; os príncipes são objeto do seu riso; riem-se de todas as fortalezas, porque, amontoando terra, as tomam.  11 Então, passam como passa o vento e seguem; fazem-se culpados estes cujo poder é o seu deus. (Hc.1.5-11)

 

Nada foge ao controle daquele que é Senhor de tudo, inclusive da história. Poderiam os homens pecarem sem que Deus o soubesse? Poderia alguém fazer o mal sem que isto chegasse ao conhecimento do Senhor? E, porventura, Deus ignoraria a maldade do homem sem que o conduzisse a juízo? Não! É a resposta dada em meio às muitas palavras do texto (Hc.1.5-11). A história redentora estava em curso e grandes coisas ainda viriam a acontecer, mas o Senhor se mostra paciente quanto ao cumprimento de sua santa vontade. Nada nem ninguém impediria que Deus cumprisse seu plano redentor e, apesar de todo pecado e dureza de coração, o povo de Israel ainda seria o instrumento divino para trazer à luz o Filho de Deus (Rm.9.4-5; Gl.3.16; Ap.12.1-6). Mas, para trazer seu Filho ao mundo, seria necessária a purificação da nação. O pecado do povo rebelde não impediria o plano divino e, para isso, Deus castigaria seu povo, a fim de prepara-lo para o grande dia, o dia da chegada do Messias prometido (Lc.1.68-79).

 

Às vezes, o cristão pode ter a impressão que seus pecados impedirão o cumprimento dos propósitos divinos para sua vida. A certeza do amor de Deus, testificado pelo Espírito Santo e pela Escritura Sagrada, é posto em dúvida quando o cristão cai em tentações, pecando contra o Senhor. Será que sou realmente salvo? (1Jo.2.1), chora o coração aflito, carente de vestir-se da armadura de Deus contra toda dúvida perniciosa (Ef.6.10-18). Se você já teve esse sentimento, deve correr para a Palavra de Deus e começar, desde Gênesis, a ler a história redentora onde encontrará os muitos pecados de homens e mulheres que esperavam pela redenção prometida. Nenhum dos pecados cometidos pelo povo de Deus foi suficiente para impedir que o plano redentor fosse concretizado, ainda que tenha dado razão para que o Senhor castigasse seu povo (Hb.12.4-13).

 

Também, muitas circunstâncias adversas podem fazer-se grandes adversárias contra a igreja de Jesus. Nos dois mil anos de cristianismo, diversas foram as ocasiões que se levantaram contra o povo de Deus, tentando impedir que a igreja seguisse em frente servindo ao Senhor. Apocalipse nos conta que o diabo e seus anjos se voltaram contra o povo de Deus para o devorar, sabendo que pouco tempo lhes resta (Ap.12.12-17). Nos dias da reforma protestante, o cristianismo estava sucumbindo ao pecado, dando a impressão que não havia mais esperança para a noiva do Cordeiro. Contudo, Deus levantou homens agraciados pela fé e sabedoria, a fim de lutarem pela Verdade, purificando a igreja de toda maldade que havia penetrado em seu meio. Então, já se passaram mais de dois mil anos, desde o nascimento do Redentor, e nada pode destruir a igreja de Cristo, mostrando, assim, que nada nem ninguém pode impedir o agir do Senhor (Is.43.13).

 

Para cumprir sua vontade, Deus pode utilizar-se de muitos meios. Em 1 Reis 22, encontramos uma interessante história que nos ajuda a compreender a instrumentalidade até de seres maus. Quando o Senhor quis matar o rei Acabe por causa de toda a maldade que praticara contra Deus, junto a sua esposa Jezabel (1Rs.16.30-33), reuniu “todo o exército do céu” (1Rs.22.19), anjos e demônios, e “perguntou o SENHOR: Quem enganará a Acabe, para que suba e caia em Ramote-Gileade?” (1Rs.22.20). Deus é o Senhor da vida e pode tirá-la como e quando quiser, mas Ele queria que Acabe morresse por sua incredulidade, enganado pelos falsos profetas sobre os quais depositou sua confiança, rebelando-se contra o Deus de Israel. Acabe enganou o povo com falsos deuses e morreria enganado pelos mensageiros desses falsos deuses. Mas, quem poderia enganar Acabe? Deus é a Verdade e nenhuma mentira pode ser proferida por Ele. Também os anjos não poderiam mentir, pois Deus os criara santos. Quem, então, poderia cumprir tal propósito?

 

Micaías prosseguiu: Ouve, pois, a palavra do SENHOR: Vi o SENHOR assentado no seu trono, e todo o exército do céu estava junto a ele, à sua direita e à sua esquerda.  20 Perguntou o SENHOR: Quem enganará a Acabe, para que suba e caia em Ramote-Gileade? Um dizia desta maneira, e outro, de outra.  21 Então, saiu um espírito, e se apresentou diante do SENHOR, e disse: Eu o enganarei. Perguntou-lhe o SENHOR: Com quê?  22 Respondeu ele: Sairei e serei espírito mentiroso na boca de todos os seus profetas. Disse o SENHOR: Tu o enganarás e ainda prevalecerás; sai e faze-o assim.  23 Eis que o SENHOR pôs o espírito mentiroso na boca de todos estes teus profetas e o SENHOR falou o que é mau contra ti. (1Rs.22.19-23)

 

Deus aceitou a sugestão de um demônio que propôs ser um “espírito mentiroso na boca de todos os seus profetas” (1Rs.22.22). Somente com a aprovação divina o espírito maligno poderia atuar e, ainda, ser bem-sucedido. O mesmo podemos encontrar no livro de Jó quando Satanás sugere a Deus, por duas vezes, que tocasse em tudo o que Jó tinha, tirando-lhe bens, família e saúde (Jó.1.6-12; 2.1-7). Foi nesse sentido que o reformador Lutero afirmou: “o diabo é o diabo de Deus”, ou seja, até o diabo é uma criatura e deve completa obediência a Deus e, ainda, é instrumento de Deus para cumprir sua perfeita vontade, pois nada pode resistir à vontade do Criador e Senhor de todo o universo (visível e invisível). Não foi diferente quanto ao propósito de conduzir Jesus à cruz. Satanás (e Judas) foi o instrumento (sem compreender) para que Cristo fosse crucificado: “Ora, Satanás entrou em Judas, chamado Iscariotes, que era um dos doze. Este foi entender-se com os principais sacerdotes e os capitães sobre como lhes entregaria a Jesus” (Lc.22.3-4).

 

A resposta divina para Habacuque caminha na mesma direção. Deus estava atento a tudo o que acontecia e agiria para castigar seu povo por toda a sua perversidade. Para isso, O Senhor usaria um povo bruto, valente e forte que viria arremeter contra Judá: os caldeus (Hc.1.6). Este povo não viria contra a nação de Israel por acaso (aconteceria alguma coisa por acaso?). Deus estava suscitando os caldeus contra seu povo para o castigar, a fim de purifica-lo de seus pecados sociais. O livro do profeta Jeremias nos conta os detalhes dos dias que antecederam o ataque dos caldeus até o momento em que Jerusalém cai nas mãos da Babilônia (Jr.20.4-5). Foram dias terríveis, nos conta o profeta (Jr.52). Pior do que a maldade que se fazia dentro de Judá seria a arremetida dos caldeus contra o povo que estava desprezando seu Deus (Hc.1.5-11). Desse modo, o Senhor também vingaria os justos que haviam sido violentados, injustiçados, perseguidos, maltratados e desprezados (Hc.1.1-4).

 

Portanto, Deus não está alheio aos sofrimentos daqueles que o amam e esperam nEle (Sl.25.3). Todavia, o Senhor tem um tempo certo para todas as coisas (Ec.3.1-8). É preciso confiar no Senhor e esperar sua resposta graciosa (Sl.37). É o que a igreja tem feito desde que Jesus subiu aos céus para estar à direita de Deus Pai (Lc.22.69; At.1.9-11; Rm.8.34; Cl.3.1), aguardando a volta de Cristo, quando, finalmente, seremos separados dos ímpios para vivermos eternamente com o Senhor (Mt.25.31-46; Ap.20.11-15). Enquanto estivermos vivendo em um mundo que “jaz no maligno” (1Jo.5.19), sofreremos aflições, perseguições, injustiças e catástrofes. Diante de tudo isso, devemos olhar para Deus (Cl.3.1-3), Senhor dos céus e da terra, e lembrar que Ele “não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas?” (Rm.8.32). Jesus prometeu e voltará para nos buscar (Ap.22.7,12,20). Nesse dia, seremos livrados de todas as nossas angústias e o Senhor “enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram” (Ap.21.4).

 

Compartilhe no Facebook
Gostei
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Pastor Alexandre A. Costa

Ligue:

54 984 136 915

Igreja Matriz: 

Rua Ernesto Zanrosso, 2669

Caxias do Sul-RS

  • White Facebook Icon
  • White YouTube Icon
  • Branco Ícone Google+
  • SARCAICO

Envie seu Pedido de Oração

*Campos Obrigatórios

Congregação em Vacaria: 

Rua Teodoro Borges dos Santos, 520, Vacaria-RS

Versão 4.4.3 © 2017 Igreja Presbiteriana de Caxias do Sul. Todos os Direitos Reservados.