Como cultivar bons relacionamentos


Tendo purificado a vossa alma, pela vossa obediência à verdade, tendo em vista o amor fraternal não fingido, amai-vos, de coração, uns aos outros ardentemente” (1Pe.1.22)


O que você acha dos relacionamentos humanos? Boa parte das pessoas afirma que as relações humanas, em qualquer ambiente social, são complicadas. Mas, qual seria a razão dessa complicação? A resposta é bastante simples e precisa: o pecado presente na natureza humana.


Diante disso, muitas pessoas decidem solucionar o problema fugindo das relações humanas, a fim de não serem incomodadas com os pecados alheios. Todavia, essa tentativa de pôr fim aos desagrados dos convívios interpessoais não é adequada para a igreja, pois Deus ordena que seu povo viva como uma grande família (Jo.13.34-35; Ef.2.19; 4.1-17; Hb.10.25 etc.).


O que fazer, então, já que o relacionamento humano é indispensável dentro do plano redentor? Ou seja, o que fazer com o fato de que devemos nos relacionar com outros cristãos dentro do corpo de Cristo que é a igreja de Deus? Só há uma resposta possível: Colocar em prática todo ensino divino sobre as relações humanas.


Por isso, gostaríamos de pensar em algumas ordenanças bíblicas que precisam ser colocadas em prática, a fim de que os cristãos tenham relacionamentos bíblicos, sólidos, abençoadores e modelos para outras pessoas.



1º Pare de ser hipócrita!!!


Não adianta regalar os olhos com espanto. Sua hipocrisia destrói as relações dentro e fora da igreja. Ninguém precisa de seu sorriso aparente nem de suas bajulações fingidas. Queremos relações verdadeiras! O primeiro ensino bíblico que precisamos colocar em prática é ser verdadeiro em nossas relações: “O amor seja sem hipocrisia. Detestai o mal, apegando-vos ao bem” (Rm.12.9).


Fariseus e herodianos se aproximaram de Jesus com hipocrisia, tecendo diversos elogios em sua presença, enquanto, na verdade, estavam tentando pegá-lo em alguma palavra para terem razões para o acusar e, até mesmo, matar. Mas, Jesus percebeu a hipocrisia deles (Mc.12.13-15) e proferiu duras palavras imprecatórias contra eles: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas...” (Mt.23.13). Jesus disse que o fermento dos fariseus era a hipocrisia (Lc.12.1) e os acusou de serem filhos do inferno (Mt.23.15).


Relacionamentos agradáveis a Deus, sólidos e abençoadores são estabelecidos sem hipocrisia. A verdade provém de Deus, pois Deus é a Verdade (2Ts.2.13; 2Jo.3), enquanto que a mentira procede do diabo que é mentiroso desde o princípio (Jo.8.44). Portanto, seja verdadeiro(a) em suas relações. Corrija as pessoas quando for necessário e elogie somente quando o elogio for sincero. Aquele que sonda nossos corações sabe a verdade presente neles, quer seja boa quer seja ruim. Portanto, seja verdadeiro diante das pessoas e diante de Deus.


Relacionamentos verdadeiros são sólidos, pois constroem a confiança nos corações, como nos diz Provérbios: “Melhor é a repreensão franca do que o amor encoberto” (Pv.27.5). A hipocrisia de alguém que se diz amigo é pior do que o ódio daquele que se declara inimigo, pois este último revela suas reais intenções. Então, pare de ser hipócrita! A hipocrisia destrói as relações humanas.



2º Esteja sempre consciente de suas falhas


Se todas as pessoas tivessem plena consciência de sua natureza pecadora seria mais fácil lidar com elas. Quando pais vão à escola para se queixarem que o filho fora disciplinado pelo professor ou diretor, mostram que não conhecem a natureza pecadora do filho. Quando pessoas ficam raivosas por terem sido corrigidas, mostram que não conhecem a própria natureza pecadora. A falta de conhecimento da natureza humana dificulta as relações humanas.


Você precisa conhecer a si mesmo, para que tanto esteja aberto a possíveis correções quanto esteja lutando contra seus próprios pecados, diariamente. Ter pessoas para nos relacionarmos com elas é uma bênção! Ruim é sofrer os pecados de pessoas que não querem mudar e, por isso, não se esforçam para melhorar nem aceitam as correções de quem quer ajudar; obrigando os outros a aceitarem seus desagradáveis defeitos.


Não se trata de exigir perfeição dos cristãos, mas de ensinar-lhes a santificação, ou seja, ensinar-lhes a estarem atentos a seus defeitos para que se arrependam e busquem, em Deus, graça para fazer o que é bom, abençoando, assim, as pessoas a seu redor. Pessoas plenamente conscientes de que são pecadoras estarão sempre dispostas a pedir perdão e se corrigir, cultivando relações agradáveis, pois ainda que pequem, estarão dispostas a lutar contra o pecado.


Portanto, não endureça o coração quando alguém corrigir você nem despreze a necessidade de aprender e mudar a própria vida, pois uma das bênçãos decorrentes dos relacionamentos é o confronto de nossos pecados, possibilitando aprendizado, correções e transformações segundo a Palavra do Senhor. Cristãos maduros aprendem até em seus relacionamentos com crianças, pois estão sempre prontos a aprender e têm no coração o profundo desejo de viver uma vida agradável a Deus, sendo bênçãos para todas as pessoas a seu redor.



3º Cumpra as obrigações sociais bíblicas.


Assim como o homem deve exercer bem seu papel bíblico de líder e a mulher deve pôr em prática seu papel bíblico de auxiliadora submissa (Ef.5.22-28), todos devem cumprir obrigações comuns para o bom cultivo de relações agradáveis a Deus:


a) Seja humilde: Abandone o orgulho, seja humilde pensando de si mesmo apenas o que convém. Pessoas que se acham boas demais e pensam muito grande sobre si mesmo se tornam cansativas, pois todos os outros são inferiores a elas.


b) Seja paciente: A paciência nos ajuda a suportar os muitos defeitos das pessoas, esperando que elas consigam superar seus próprios pecados. A paciência nos livra de juízos precipitados e decisões apressadas, evitando prejudicar as relações humanas.


c) Seja misericordioso: Quem nunca pecou atire a primeira pedra (Jo.8.7). A misericórdia é a disposição para perdoar os pecados do outro. Às vezes será necessário corrigir, disciplinar, mas a misericórdia se coloca à disposição para perdoar o arrependido.


d) Seja amoroso: O verdadeiro amor é uma virtude divina em harmonia com todas as demais virtudes. O amor é sempre bom, verdadeiro santo e justo. Portanto, ame as pessoas como a si mesmo (Mt.22.36-40) e ame os irmãos em Cristo como Jesus nos ama (Jo.13.34-35). Esses mandamentos são ordenados a pastores, presbíteros, diáconos, membros e congregados; a doutores, mestres e leigos (1Jo.4.7-21). Todos têm obrigação de amar!


As relações humanas do mundo são cansativas e problemáticas. Não deveríamos repetir os erros do mundo! As relações dentro da igreja de Jesus devem ser abençoadoras, glorificando a Deus e alegrando o coração de cada cristão. Então, comece, hoje mesmo, a pôr em prática o que Deus nos ensina, para que nossos relacionamentos sejam bênçãos.

Posts Recentes